Páginas

Pesquisar este blog

Stay

"- Como é amar? - perguntou May (...)
 
- É a coisa mais maravilhosa e terrível que pode acontecer com você - afirmou com simplicidade. - Você sabe que encontrou algo incrível e quer levá-lo pra sempre consigo. E um segundo depois de ter aquilo, você fica com medo de perder." (A Elite - Kiera Cass)

Hoje eu decidi escrever pra você. Você faz parte da minha vida há tanto tempo, que já não lembro de como os meus dias eram sem você. Eu não me lembro do que eu fazia, do que eu conversava com as pessoas ou do que eu gostava. Você mudou muito mais do que a minha vida, você me mudou, e todos os dias que eu passo ao seu lado fazem eu sentir o meu coração brilhar. E só pra constar, essa é a melhor definição de amor que eu já ouvi: você sabe que ama alguém quando sente o coração brilhar. E eu brilho do seu lado. Eu me derreto por você. Com você eu sou melhor, com você eu sorrio mais, eu não tenho medo, eu atravesso a rua sem olhar pros lados, porque sei que você vai me avisar se tiver um carro vindo; com você eu sou eu mesma, com todos os defeitos que eu escondo do mundo e eu não me importo com mais ninguém, porque no final do dia a única coisa que eu quero é o seu abraço, é sentir o seu cheiro, é bagunçar o seu cabelo... Estar com você é como desembrulhar presente no natal, é como chocolate quente e bolo de cenoura, é mergulhar em uma piscina em dias quentes, é olhar a chuva pela janela... E apesar de amar todas essas coisas, eu não te trocaria por nenhuma delas. 

Você é a solução de todas as minhas questões incertas.  

Estou aprendendo a amar com você, e apesar de tudo, você é o melhor professor que a vida me deu.

Obrigada por ficar.

Chuva


Hoje o céu estava azul, mas tudo o que eu consegui ver eram as nuvens cinzas, anunciando a chuva que está por vir. Mas nunca chove, e eu me sinto como essas nuvens: Cheia e vazia, esperando por um alívio que nunca vem. E os ventos que trançam os meus cabelos são os mesmos que carregam toda a tristeza e a saudade do que eu já fui. Das coisas que eu já tive, e das pessoas que eu conheci.

As palavras vermelhas são como o sangue que me mantem viva, mesmo quando eu desisti de caminhar.

Certo dia eu estava numa dessas ruas vazias, e alguém sussurrou todos os meus medos ao pé do meu ouvido. Minha visão embaçou, e perdi o caminho de casa. Desde então tudo o que eu tenho são as marcas de meus pesadelos frequentes. 

Tudo o que representa felicidade me leva de volta a inocência que eu nunca tive; de amar e acreditar, de ir até o fim e não ter medo.

Eu segurei em uma mão, mas ela me soltou, e como uma boneca de pano eu caí. A queda foi longa, e os joelhos sangraram, eu tentei levantar, mas as sombras sempre foram tão gentis que decidir ficar ali.

Cresci rodeada de olhos vazios, e corações quebrados.

Os espelhos não são fieis,
Eles não refletem a alma.
Eles te sugam, até não restar brilho suficiente para ofuscar qualquer estrela; e até a mais bela das rosas possui espinhos.

O caminho para felicidade é longo, mas o inferno está logo ali.

Vinte por quatro


Eu entrei na sala e ele estava lá. Todos estavam olhando pra ele, admirando o cabelo bem cortado e a barba malfeita. Um desastre perfeito. Instantaneamente minhas mãos começaram a tremer. Eu passei as últimas vinte a quatro horas treinando formas de relaxar a mente e fazer meu nervosismo passar despercebido. Foi inútil. Ele tinha o controle sobre todas as minha emoções. Senti vontade de virar as costas e ir embora, mas ele me viu e meu estômago congelou. As borboletas que antes estavam voando em círculos dentro do meu estômago agora batiam de encontro ao meu coração, pedindo pra sair. 

"Oi" foi tudo o que ele disse, e meu mundo desacelerou. 

Ele me convidou pra sair e caminhar, e tudo o que eu queria é poder segura-lo com as mãos e impedir que ele fugisse de mim. 

Naquela tarde conversamos sobre nossas mães controladoras e pais descontrolados. Ele me mostrou as cicatrizes de infância, e eu contei sobre os meus medos. Contei sobre as vezes em que caí da escada de casa, e nós rimos juntos. Ele disse que o meu sorriso é lindo e eu senti o rosto queimar com o elogio inesperado. Ele nem percebeu. 

Pude ver o meu reflexo na vitrine de uma loja, e eu o olhava da mesma forma que um cego olha o mundo pela primeira vez. 

O esforço para não me afogar nas palavras dele me deixou tonta, me segurei na cadeira pra vontade de sair correndo não me vencer. Então eu fiquei e sorri. E decorei cada pedacinho dele pra depois tatuar em mim.

Ele é indomável como o mar, e eu sou uma andorinha perdida.

Deslembrança

As lembranças dele surgiram como uma visita inesperada no meio do café da manhã.

Eu vi o seu rosto e enxerguei as marcas do tempo; quis dizer não, mas eu o deixei entrar... Em troca, ele libertou toda a saudade que estava escondida no fundo da minha gaveta.

Ele me olhou com aqueles olhos que refletiam a alma, e eu vi cinzas.

Nós éramos duas crianças com medo do furacão, mas ele se jogou na lama comigo e me deu borboletas pra guardar no estômago. Ele segurou minha mão enquanto atravessávamos a neblina e me fez enxergar as estrelas que sorriam pra mim lá em cima. Em troca ofereci o meu coração.

Éramos diferentes de uma forma certa, duas peças que se encaixavam perfeitamente.

Eu era o morcego com medo do sol, e ele uma libélula apaixonada pela liberdade. 

Quando ele voou pra longe de mim senti vontade de ir atrás, mas ele fugiu junto com as minhas asas.

De vez em quando a saudade volta e me abraça, um afago agridoce que machuca mas conforta. Hoje ela veio me visitar, e trouxe todas as sombras para me fazer companhia durante a noite.